Transtorno de Despersonalização: Sintomas e tratamento

Sensação de estar desconectado do corpo, mente, e do mundo ao seu redor. Esse são possíveis sinais de Transtorno de Despersonalização, um distúrbio dissociativo. Dessa maneira, o transtorno de despersonalização é caracterizado por sentimentos persistentes ou recorrentes do distanciamento do próprio corpo e de processos mentais. Ou seja, o indivíduo passa a não se reconhecer mais e, em casos mais graves, acreditar que estava fora de si quando cometeu certos atos. 

Assim, geralmente a sensação é de ser um observador externo da própria vida (despersonalização) ou de estar desconectado de um ambiente (desrealização).

Apesar de as causas concretas serem desconhecidas, especialistas dizem que o transtorno pode estar relacionado principalmente com longo período de estresse e eventos traumáticos, sendo psicológico ou físico.

Leia também: Transtorno de déficit de empatia: Saiba como identificar

comer bem e cuidar da mente

Sintomas do transtorno de despersonalização

De acordo com pesquisas, cerca metade da população geral já tiveram pelo menos uma experiência com o transtorno de despersonalização. Contudo, apenas cerca de 2% das pessoas são realmente diagnosticadas com esta condição.

Portanto, para identificar a condição, fique atento aos seguintes sintomas:

  • Sentir-se desconectado da realidade;
  • Ansiedade;
  • Isolamento social;
  • Dificuldade de entender os sentimentos e emoções;
  • Confusão mental (não sabe o que é sonho e o que é realidade);
  • Achar que está “enlouquecendo”;
  • Apresentar esses sintomas sem fazer uso de drogas, álcool ou remédios que possam causar esse estado. 

Tratamento

O tratamento para o transtorno de despersonalização consiste na psicoterapia, em que o terapeuta visa entender quais são os estressores que possam ter predisposto o paciente a desenvolver o distúrbio. 

Leia também: Transtorno dissociativo de identidade: O que é e sintomas

Dessa maneira, o especialista dirá qual é a abordagem mais convincente para cada caso. Além disso, pode ser prescrito medicamentos para tratar comorbidades como depressão e/ou ansiedade.

Leia também: Transtorno de déficit de empatia: Saiba como identificar

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Estagiária de Jornalismo