Síndrome de Tourette: O que é, sintomas e tratamento

A síndrome de Tourette é uma doença neurológica caracterizada por tiques motores ou vocais. Eles podem variar de uma semana para a outra, ou se modificar ao longo dos meses.

Dessa maneira, os tiques costumam surgir entre os 5 e 7 anos de idade, e tendem a aumentar conforme o tempo. 

As pessoas com síndrome de Tourette relatam que é quase impossível resistir aos tiques. Isso porque o desejo de manifestar o tique costuma ser sentido antes da ocorrência. Assim, diversas pessoas descrevem o distúrbio como uma vontade irresistível de espirrar, tossir ou coçar uma parte do corpo. Portanto, ao ceder à necessidade, elas sentem uma sensação de alívio.

Causas da Síndrome de Tourette

A Síndrome de Tourette pode estar associada a outras condições psiquiátricas. 

De acordo com o Centro para Controle de Doenças e Prevenção dos Estados Unidos, ao menos 63% dos pacientes com Tourette também possuem TDAH, 49% têm ansiedade e 47% têm dificuldades para aprender.

Além disso, a síndrome também está relacionada ao transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).

Contudo, ainda não existe um consenso sobre a causa específica dessa síndrome. 

Sintomas da síndrome de Tourette

Os sintomas podem variar de pessoa para pessoa. Porém, os mais comuns incluem:

Tiques motores

  • Piscar os olhos;
  • Fazer caretas;
  • Balançar os ombros;
  • Fungar;
  • Tossir;
  • Fazer gestos obscenos; 
  • Movimentar a cabeça repentinamente.

Tiques vocais

  • Xingamentos;
  • Soluçar;
  • Gritar;
  • Gemer;
  • Repetir palavras ou sílabas de forma involuntária;
  • Usar diferentes tons de voz.

Leia também: Síndrome do Impostor: O que é e como evitar

Tratamento

A síndrome de Tourette não tem cura. Entretanto, existe tratamento e ela pode ser controlada. 

Assim, o tratamento é feito com terapia comportamental cognitiva, conhecida como tratamento de reversão de hábitos. Dessa forma, o terapeuta ajuda os pacientes a monitorarem as sensações premonitórias e os tiques.

Ademais, em alguns casos é recomendado o uso de medicamentos. Como por exemplo, os antipsicóticos, que têm se mostrado úteis na redução da intensidade dos tiques.

Algumas atividades como a meditação e ioga ajudam a aliviar o estresse. Portanto, exercícios físicos, de modo geral, também podem ajudar tanto ao promover o relaxamento como por sua prática demandar atenção.

Leia também: Síndrome da cabeça explosiva: O que é e como tratar

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Estagiária de Jornalismo