Saúde mental na pandemia e relação com imunidade

A saúde mental na pandemia foi e tem sido afetada. Seja pelo financeiro, medo do que está por vir, de perder entes queridos, ficar desempregado, entre diversos outros motivos, o bem-estar psicológico vem sendo colocado à prova diariamente.

Especialmente em situações de isolamento social como a que estamos vivendo, a saúde mental é afetada de forma tão negativa que o indivíduo pode desencadear depressão, ansiedade ou até mesmo manifestações psicóticas.

Mas você sabia que esse fator também influencia negativamente no nosso sistema imunológico?

comer bem e cuidar da mente

A relação entre a saúde mental na pandemia e imunidade

Esse tema vem sendo estudado há anos e existe até uma definição dentro da psiquiatria: Psiconeuroimunologia. De acordo com o psiquiatra Fábio Scaramboni Cantinelli, da Clínica Maia, a imunidade é afetada pela saúde mental por envolver o cortisol.

O cortisol é um hormônio produzido pelas glândulas suprarrenais, que ficam localizadas acima dos rins. Tem a função de ajudar o organismo a controlar o estresse, fortalecer o sistema imunológico – reduzindo inflamações – e manter os níveis de açúcar no sangue constantes.

No momento em que nos estressamos, o cérebro manda “sinais” para o corpo liberar cortisol. Assim sendo, quanto mais você se estressa num nível contínuo, maior é o nível de cortisol, o que leva a um desequilíbrio hormonal.

Leia também: Cortisol: como diminuir os níveis quando estamos estressados

Dessa maneira, a produção excessiva do hormônio pode alterar o funcionamento de células do sistema imune, acarretando, em alguns casos, a diminuição da reação do sistema imunológico.

“O cortisol pode estar com seus níveis significativamente alterados em estados psíquicos que envolvem transtornos mentais. Portanto, geralmente ele está em níveis aumentados, o que levaria a um empobrecimento da resposta imune ou inflamatória”, explica o especialista.

Dicas para proteger a mente na pandemia

Para evitar que isso aconteça, o especialista explica que as pessoas devem proteger a saúde mental por meio de uma rotina saudável, incluindo alimentação balanceada e prática de exercícios físicos.

Além disso, é importante manter o contato social com pessoas próximas, através de ligações ou chamadas de vídeo, pois isso mantém o estímulo sensorial. 

“É fundamental também saber filtrar as informações recebidas, atentando-se para a qualidade e veracidade delas. Evite ‘Fake News’ e fuja também do bombardeio de notícias ruins ou desfavoráveis o tempo todo”, alerta o psiquiatra.

Fonte: Fábio Scaramboni Cantinelli, psiquiatra da Clínica Maia.

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Estagiária de Jornalismo