Reeducação alimentar: Saiba o que é e como começar

Um dos primeiros passos para quem deseja emagrecer (emagreça com o Tecnonutri) de forma saudável e definitiva é fazer uma reeducação alimentar para melhorar sua relação com a comida e, assim, poder comer de tudo, mas na medida certa.

Ao contrário do que muita gente pensa, reeducação alimentar não é dieta. Trata- se, sobretudo, de mudança de hábitos com o objetivo de ter uma alimentação mais saudável, tendo como consequência o emagrecimento (se esta for a meta) e a melhoria da saúde em diversos aspectos, tanto físicos quanto mentais. 

Leia também: Mindful Eating: O método que ensina a comer de forma consciente

Por que apostar em uma reeducação alimentar?

O grande vilão da saúde dos dias atuais é a obesidade. A Organização Mundial da Saúde aponta o problema como um dos maiores de saúde pública no mundo. Para se ter uma ideia, estima-se que até 2025 existia cerca de 2,3 bilhões de pessoas com sobrepeso, além de mais de 700 milhões de indivíduos obesos. 

Sem falar no número de crianças com sobrepeso e obesidade, que só está crescendo nos últimos anos. Hoje, no Brasil, mais de 50% da população enfrenta o dilema do sobrepeso. 

O motivo? Estamos mais sedentários do que nunca, graças a uma rotina intensa de trabalho, estudos, pouco movimento e falta de atenção ao que comemos. Na pressa, é normal preferir um lanche rápido e com pouco valor nutritivo. Produtos industrializados se tornaram mais comuns do que refeições preparadas na hora.  

Essas informações podem parecer assustadoras – e esse é o intuito, pois aí que surge a necessidade uma reeducação alimentar. E ela se faz essencial não apenas para quem precisa perder peso.

 “A reeducação é indicada para qualquer pessoa, seja para quem quer emagrecer, ganhar músculos ou quaisquer outros objetivos, porque se aprende a comer nos horários certos, o que consumir e quantidade para cada indivíduo”, explica Gabriela Cilla, nutricionista clínica, funcional e esportiva de São Paulo. 

Como funciona e para quem é indicada

Se você acha que precisa rever seus hábitos, é preciso consultar um nutricionista para avaliar sua rotina de vida e alimentar. O profissional solicitará alguns exames básicos para ver como anda sua saúde e fará uma série de perguntas para descobrir como funciona a sua relação com a comida. 

Com essas informações, será possível elaborar um programa de reeducação alimentar personalizado para que comer de forma saudável seja um hábito, e não obrigação. “Muita gente fica sem comer por horas ou deixa de consumir determinado alimento porque acha que vai prejudicar a dieta. A reeducação alimentar auxilia a equilibrar esse relacionamento com a comida”, acrescenta a especialista, que ressalta que a maioria das pessoas não sabe como se alimentar corretamente, e alerta a necessidade da reeducação para crianças, que desde a infância têm contato com uma oferta de alimentos industrializados e nocivos à saúde.

Benefícios da reeducação alimentar

Emagrecimento

Para quem mira esse objetivo, a reeducação alimentar (de preferência, sempre aliada a outras práticas saudáveis, como exercícios físicos e noites de sono de qualidade) será primordial. Mas tenha paciência, porque os resultados não vêm do dia para a noite e tudo irá depender de fatores genéticos e outros hábitos de sua vida.

Controle de peso

Ao aprender a se alimentar corretamente e de acordo com suas necessidades nutricionais e objetivos, é mais fácil manter o peso ideal sem se preocupar com os ponteiros da balança e o efeito sanfona típico de dietas “milagrosas”. 

Auxiliar no tratamento de transtornos alimentares

Compulsão, bulimia, anorexia, sentimento de culpa por comer algo porque acha que vai engordar. Estes são alguns transtornos e sentimentos que podem ser controlados com a reeducação alimentar (em alguns casos, associada a suporte psicológico para ter sucesso). A razão é que se aprende a priorizar a saúde por meio do que se põe no prato. 

Dicas simples que podem fazer a diferença

Embora o auxílio profissional seja indispensável para ter êxito e benefícios, algumas atitudes simples podem ser um pontapé inicial na sua jornada de transformação de hábitos. Veja algumas:

Beba mais água

Em uma rotina atribulada, é normal se esquecer da hidratação. Ao beber mais água, você fica mais saciado e o corpo agradece: rins, sistema circulatório e pele, por exemplo, são os mais afetados quando se bebe pouca água. Uma dica é colocar o despertador no celular como forma de lembrete para se hidratar!

Faça substituições inteligentes

É viciado em refrigerante? Então, aos poucos, reduza a quantidade da bebida açucarada, igualmente nociva nas versões diet e light por causa de conservantes, sódio e outros componentes químicos. Se bebe em todas as refeições, restrinja a uma, apenas. Sempre que tiver oportunidade, procure trocar por sucos naturais, que são uma alternativa saudável e saborosa. O mesmo se aplica a um docinho fora de hora: que tal comer uma fruta ou uma barrinha de proteína?

Evite pular refeições

Ficar por longos períodos sem comer pode ser prejudicial para o metabolismo, que fica mais lento para “segurar” as reservas de energia. De modo geral, é indicado se alimentar a cada três horas, comendo lanchinhos entre as refeições maiores. Frutas, vitaminas e sucos são alguns exemplos de refeições intermediárias. 

Avalie fome e vontade de comer

Se surgir uma vontade absurda de comer determinado tipo de alimentos, como um chocolate ou sobremesa extra durante o dia, é importante tentar entender: isso é fome ou vontade de comer? Isso ajuda a evitar tomar decisões por impulso e a reverter para uma opção mais saudável de alimento.

Durma bem

Irregularidades no sono surtem efeito negativo no sistema metabólico e reduzem consideravelmente a disposição diária para fazer exercícios físicos. Estudos científicos comprovaram que a privação do sono desregula hormônios que levam as pessoas a comer mais. Diretrizes nacionais e internacionais indicam pelo menos oito horas diárias de sono.

Leia também: 8 alimentos que ajudam a combater a ansiedade

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.