Querofobia: O que é o ‘medo de ser feliz’ e como superá-lo

A querofobia é uma fobia ainda pouca conhecida e que consiste, basicamente, no medo de ser feliz. Sendo assim, uma pessoa que sofre de querofobia é alguém que tem a tendência de fugir de qualquer tipo de felicidade, pois ela se ressente frente a emoções positivas.

No grego, “chero” significa “alegre”. Ou seja, a querofobia é, em suma, o medo de se alegrar. Portanto, quando uma pessoa sofre dessa fobia, sente medo de participar de atividades que a maioria caracteriza como divertidas. Alguns profissionais da saúde a classificam como um tipo de ansiedade.

Leia também: Glossofobia: Como funciona o medo de falar em público

comer bem e cuidar da mente

Como identificar a querofobia

Os principais sinais de que uma pessoa pode estar sofrendo de querofobia são:

  • Evitar constantemente situação sociais como festas e encontros entre amigos
  • Rejeitar boas oportunidades, como uma oportunidade promissora de trabalho, por temer suas possíveis consequências
  • Crença de que demonstrar felicidade o torna uma pessoa ruim
  • Sensação de ansiedade só de pensar em socializar
  • Acreditar que tentar ser feliz é uma perda de tempo e temer que, ao se sentir feliz, algo ruim possa resultar disso
  • Evasão ao hábito de ouvir música e assistir filmes de comédia
  • Necessidade de manter uma rotina rígida e livre de “distrações”

Leia mais: A chave para a felicidade: amigos ou família?

Causas

Profissionais de psicologia acreditam que as causas da querofobia estejam ambas relacionadas a situações vividas na infância, que provavelmente provocaram traumas.

Sendo assim, esses possíveis traumas podem ter criado uma conexão inconsciente entre a felicidade e a dor. Por isso, pessoas que sofrem dessa fobia podem acreditar que algo feliz e prazeroso será necessariamente seguido de algo doloroso e vice-versa.

Como tratar a querofobia

A querofobia é um hábito de pensamento, ou seja, uma forma de pensar a qual o paciente está habituado. Portanto, pode ser alterada e reprogramada na mente. Nesse sentido, a terapia é recomendada.

Sobre o autor

Nathália Lopes
Nathália Lopes
Estagiária de Jornalismo