Pregorexia: O transtorno alimentar que afeta mulheres grávidas

A gravidez provoca diversas mudanças físicas e emocionais no corpo da mulher. O aumento de peso é o fator mais marcante durante a gestação. Mas, não são todas as mulheres que conseguem lidar de forma natural. Assim, quando o ganho de peso vira o principal foco, pode ocorrer o transtorno alimentar chamado pregorexia. O nome do transtorno é um termo que em inglês une pregnant (grávida) e anorexia.

Apesar de ainda ser pouco estudada pelos médicos, a pregorexia é um transtorno alimentar em que mulheres grávidas desenvolvem uma preocupação excessiva em controlar o ganho de peso e acabam adotando dietas desequilibradas, praticando exercícios físicos intensos e até mesmo fazendo o uso de laxantes.

Em consequência, nesta fase existe o risco da desnutrição, que afeta a mãe e o bebê, existindo ainda a possibilidade de um aborto. Além disso, a má alimentação também pode desencadear um quadro de anemia materna e afetar o desenvolvimento do feto.

Mulheres que já apresentaram algum transtorno alimentar, como anorexia e bulimia, são mais propensas a passar pelo problema. Portanto, é importante ficar atento aos sintomas.

Sintomas

  • Seguir dietas restritivas;
  • Vomitar com mais frequência; 
  • Ter episódios de compulsão alimentar;
  • Passar por mudanças frequentes de peso ou estar significativamente abaixo do peso; 
  • Praticar exercícios físicos excessivamente; 
  • Usar laxantes ou diuréticos; 
  • Ter baixa autoestima
  • Fazer jejum ou pular refeições; 
  • Não ganhar peso com a gestação; 
  • Excluir alimentos da dieta por conta própria;

Leia também: Compulsão alimentar: Como identificar e controlar

Tratamento

Quando a pregorexia é identificada, a gestante precisa ter um acompanhamento com especialistas como ginecologista, psiquiatra, psicólogo e nutricionista. Dito isso, o tratamento pode envolver psicoterapia e, dependendo do caso, medicação.

Geralmente, após o parto é comum que as mulheres continuem com comportamentos inadequados em relação a alimentação, mesmo que isso cause prejuízos para a criança. Portanto, é importante ter acompanhamento depois do parto, pois muitas mulheres com transtornos alimentares desejam voltar ao peso normal.

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Estagiária de Jornalismo