Pessoas fisicamente ativas são menos hospitalizadas por COVID-19

Uma pesquisa online feita com 938 brasileiros, mostrou que a hospitalização pelo COVID-19 foi 34% menor entre pessoas fisicamente ativas. Ou seja, pessoas que antes da pandemia praticavam semanalmente ao menos 150 minutos de atividade física aeróbica de intensidade moderada ou 75 minutos de alta intensidade. 

Leia também: Covid-19: Quase 20% dos pacientes têm doenças mentais depois

Pessoas fisicamente ativas x coronavírus: O que diz a pesquisa

O estudo foi publicado no MedRxiv e contou com o apoio da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de SP). Dessa maneira, os indivíduos que participaram da pesquisa eram homens e mulheres com idades diferentes. Entre o total dos participantes que foram infectados pelo COVID-19 confirmados pelo teste molecular, apenas 91 (9,7%) precisaram ser internados. 

Assim, os participantes foram instruídos a responder questionários entre os meses de junho e agosto. As perguntas incluíam o quadro clínico, como sintomas, medicamentos e, no caso dos que foram hospitalizados, tempo de internação. Além disso, houveram perguntas sobre outros fatores como idade, sexo, índice de massa corporal (IMC), doenças preexistentes, escolaridade, nível de atividade física, entre outros.

Leia também: Estudo encontra fadiga crônica após infecção por COVID-19

Após as respostas serem analisadas, os resultados mostraram que a prevalência de hospitalização foi maior entre homens, idosos, voluntários obesos e pessoas com menor nível socioeconômico e escolaridade. Entretanto, os pesquisadores observaram que nas pessoas fisicamente ativas, houve uma redução de 34% no predomínio de hospitalização.

Os autores da pesquisa destacam que a prática de atividade física é essencial para prevenir doenças como diabetes e hipertensão. Fatores que fazem parte do grupo de risco do coronavírus.

Por fim, ainda é necessário mais pesquisas sobre a relação entre a prática de exercícios físicos e a hospitalização do COVID-19, pois é um estudo observacional.

Leia também: 82% dos pacientes de covid-19 têm falta de vitamina D, diz estudo

Fonte: Agência FAPESP

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Estagiária de Jornalismo