Peru, chester e tender: Quais as diferenças?

O peru, o chester e o tender são as três carnes mais populares da ceia natalina. No Natal, eles são aparições recorrentes e queridos por muitos. As estrelas da ceia, no entanto, possuem diferenças entre si e é essencial saber quais são essas.

Peru x Chester x Tender: Principais diferenças e dicas de preparo

Peru

O peru é uma ave, por isso, é considerado uma carne branca e magra. Ele costuma ser vendido inteiro ou já cortado. Ainda, seu sabor é mais marcante que as demais carnes do Natal, por isso, necessita de mais tempo de marinação antes de ser preparado para o consumo. Seu grande tamanho também pode tornar seu preparo ainda mais desafiador. No total, o tempo de preparo estimado é de 4 horas. Ele pode ser acompanhado pelas frutas tradicionais do Natal.

O peru é rico em nutrientes diversos. Duas fatias da carne contém aproximadamente 24 g de proteínas e, em contrapartida, apenas 2 g de gordura. Além disso, não contém carboidratos em sua composição. Por isso, acompanha muito bem outros pratos na hora da refeição. 

Além disso, é muito rico em proteínas e, não só, é excelente fonte de diversas vitaminas, como as do complexo B, e muitos minerais. Entretanto, sua pele é rica em gorduras. Por isso, evitar o consumo da mesma é aconselhável.

Chester

Já o chester, é considerado um tipo especial de frango originado do cruzamento de diferentes espécies. Sendo assim, ele é maior que o frango convencional mais consumido no dia a dia. Quanto ao seu preparo, ele também costuma levar cerca de 4 horas e necessita ser marinado. Pode ser encontrado à venda já temperado.

A ave é um tipo de tipo de frango no qual maior parte da carne está concentrada no peito. A princípio, tal característica poderia ser vista como positiva, já que o corte de peito de frango é considerado o mais saudável. Porém, a alta concentração de glutamato monossódico durante a fabricação pode elevar a quantidade de sódio a níveis maiores do que o consumo indicado seguro para a saúde. Assim, a recomendação é que seu consumo seja evitado ou controlado. 

Tender

Diferentemente do chester e do peru, o tender não é uma ave. Na verdade, é composto pelo pernil do porco defumado e assemelha-se ao presunto. Seu nome vem do slogan que era usado para a sua comercialização nos Estados Unidos: “tender made ham”. Ou seja, “presunto feito com carinho”. Ele também deve ser marinado antes do seu preparo e é geralmente vendido desossado e previamente cozido.

Geralmente é preparado com a intenção de ser servido com sabor agridoce. Por isso, é comumente servido com frutas em caldas, geleias ou bebidas, como o vinho. A farofa também é um acompanhamento possível.

A carne apresenta, em média, 32g de proteína em 100g de produto, um fator considerado positivo. Mas é exatamente o processo de salgar e defumar a carne que faz o tender ser considerado um tipo de alimento não saudável. Ele acaba ficando com altas concentrações de sódio e de gordura. Assim, não há muitas opções “saudáveis”, porque o produto é semipronto. Portanto, assim, como o chester, a recomendação é que seu consumo seja esporádico e controlado. 

Leia também: Final de ano: Saiba como driblar o estresse nessa época

Sobre o autor

Nathália Lopes
Nathália Lopes
Estagiária de Jornalismo