Perda cognitiva é uma das sequelas da Covid-19, diz estudo

Desde o início da pandemia do covid-19 os cientistas vêm estudando as consequências causadas pelo vírus – tanto para a saúde mental quanto física. Como problemas nos pulmões, rins, coração, intestino e até mesmo o desenvolvimento de ansiedade e depressão. Além disso, a perda cognitiva é uma das maiores sequelas, de acordo com estudo feito pelo Instituto do Coração (InCor), da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

Leia também: Metade dos sobreviventes de Covid-19 relata depressão

Perda cognitiva: Como a pesquisa funcionou 

O estudo foi conduzido pela neuropsicóloga Lívia Stocco Sanches. Assim, ela utilizou o jogo digital MentalPlus, criado por ela em 2010, para avaliar pessoas que tiveram covid-19 em vários estágios, idades e classes econômicas. Este jogo é capaz de mostrar o impacto dos danos cerebrais causados pelo vírus.

Dessa maneira, a pesquisa contou com a participação de 185 pessoas, entre março e setembro de 2020. 

Os resultados mostram que 80% dos participantes tiveram perda cognitiva. Como problemas de concentração ou atenção, perda de memória e diminuição da coordenação motora.

De acordo com Lívia, as sequelas cognitivas acontecem pelo fato de o vírus entrar pelas vias aéreas, comprometendo o pulmão e, com isso, baixa o nível de oxigênio.

Além disso, o estudo também relatou que a memória de curto prazo de 62,7% dos participantes foi afetada. Já a de longo prazo, teve alterações em 26,8% dos voluntários. Em relação à percepção visual, o impacto foi notado em 92,4%.

Ao contrário do que muitos pensam, as sequelas não acontecem apenas em casos mais graves. Dessa forma, os pacientes que apresentaram sintomas leves como coriza e até mesmo os assintomáticos também foram diagnosticados com disfunção cognitiva em algum grau.

Leia também: Estudo encontra fadiga crônica após infecção por COVID-19

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Estagiária de Jornalismo