Parentalidade positiva: Corrente que defende a criação firme e gentil

Criar e educar os filhos definitivamente não é uma tarefa fácil. Muitas vezes, os pais acabam recorrendo a métodos mais rigorosos e autoritários. No entanto, existe uma abordagem para guiar a educação das crianças sem utilizar a violência: a parentalidade positiva. Ter um bom relacionamento entre pais e filhos é essencial. De acordo com pesquisas, a maneira como os pais se conectam com seus filhos pode trazer consequências abrangentes para sua saúde mental.

Assim, a parentalidade positiva é uma filosofia que foca no respeito mútuo entre pais e filhos, opondo-se de punições e permissividade. Além disso, desenvolve a autonomia e autoestima, pois permite que a criança participe de algumas tomadas de decisões.

Dessa maneira, esta abordagem ressalta que bater ou castigar as crianças não irá ensiná-las a lidar com os próprios sentimento. Ou seja, apenas irá educá-las para terem medo da reação dos pais.

Leia também: Mindful parenting: Criar filhos com menos julgamento e mais aceitação

Pilares da parentalidade positiva

A parentalidade positiva foca nos seguintes pilares:

  • Construir um vínculo maior entre pais e filhos, estabelecendo uma relação positiva;
  • Agir com empatia;
  • Impor limites, sem gritar ou bater;
  • Compreender a natureza das crianças, identificando o que elas realmente precisam;
  • Respeitar e entender os sentimentos dos filhos;
  • Procurar entender as fases de desenvolvimento da criança;
  • Disciplinar sem castigar;

Leia também: Burnout parental: O que é, como evitar e tratar

Parentalidade positiva na prática

Para os pais que estão tentando seguir esse método de educação é fundamental entender que o mau comportamento (birras) é uma forma de comunicação da criança. Isso ocorre por diversos motivos, especialmente quando a criança não tem recursos emocionais suficientes para se expressar.

Dito isso, uma alternativa para os filhos não terem esse comportamento é limitando a energia dada a ela. Por exemplo, ao ver a criança inquieta, você pode dizer “’Estou vendo que você está nervoso. Vamos brincar de alguma coisa?”.

Outro exemplo é no supermercado, onde geralmente as crianças querem comprar algo e não desistem até conseguir. É possível dizer: “Vejo que você está com muita vontade de comer essa bolacha. Mas que tal escolhermos um lanche mais saudável?”. O intuito é distrair a criança, dando uma função a ela.

Os especialistas acreditam que a parentalidade positiva pode ser uma ótima ferramenta para ter um relacionamento saudável com os filhos.

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Estagiária de Jornalismo