fbpx

Selênio pode reduzir o risco de osteoporose?

A osteoporose é uma condição que deixa os ossos frágeis e porosos. Ela aparece especialmente entre mulheres acima dos 45 anos. À medida que vai progredindo com o avançar da idade, a doença aumenta o risco de fraturas em regiões como quadril, costela e colo do fêmur.

Existem alguns fatores de risco para a osteoporose que não se pode evitar, como o avanço da idade e do sexo. Mas, especialistas também identificaram alguns fatores de risco modificáveis, como fumar tabaco e beber álcool, que aumentam a incidência. 

Também, cientistas acreditam que fatores alimentares podem desempenhar um papel. Até o momento, a maioria das pesquisas sobre nutrição e osteoporose concentrou-se na fonte confiável de cálcio, devido ao seu papel essencial na saúde óssea.

Entretanto, autores de um estudo mais recente, realizado na China, acreditam que outros micronutrientes podem influenciar o risco de osteoporose. Eles decidiram se concentrar no selênio. Os cientistas publicaram seus resultados na revista especializada BMC Musculoskeletal Disorders.

O que é selênio

O selênio é um mineral essencial para a saúde humana. Ele participa de muitos sistemas do corpo e está presente em uma ampla variedade de alimentos, incluindo peixe, marisco, carne vermelha, grãos, ovos, frango, fígado e alho.

Embora alguns estudos anteriores tenham analisado o impacto do selênio na osteoporose, as evidências não foram conclusivas.

Assim, para abordar essa lacuna, os pesquisadores coletaram dados de 6.267 participantes que visitaram o Centro de Exames do Departamento de Saúde do Hospital Xiangya, Universidade Central do Sul, na China. Foram computadas informações sobre estilos de vida e dados demográficos. Todos os participantes tinham 40 anos ou mais e preencheram questionários detalhados sobre frequência alimentar.

Contudo, é importante ressaltar que os cientistas também observaram outros parâmetros que podem influenciar a osteoporose, como beber, fumar, índice de massa corporal (IMC) e nível de atividade física.

Leia também: Por que ganhamos peso ao envelhecer?

Selênio e osteoporose

No geral, a osteoporose esteve presente em 9,6% dos participantes – 2,3% nos homens e 19,7% nas mulheres. Usando os dados do questionário, os cientistas dividiram os participantes em quatro grupos, que foram classificados de maior a menor ingestão de selênio.

Como eles esperavam, indivíduos com os níveis mais baixos de selênio na dieta tinham o maior risco de desenvolver osteoporose. Os autores observaram uma relação dose-resposta. Em outras palavras, a ingestão de selênio teve uma correlação negativa com o risco da doença – quanto mais um indivíduo consumia, menor o risco. Mesmo após o controle de fatores como idade, sexo e IMC, o relacionamento ainda era significativo. 

Assim, os autores concluem: “As descobertas do nosso estudo podem dar uma dica da patogênese da osteoporose, e análises futuras sobre a ingestão alimentar, incluindo a ingestão suplementar de selênio, sobre o risco da doença são justificados”.

No artigo, eles discutem alguns mecanismos pelos quais o selênio pode influenciar o risco de osteoporose. Eles explicam como a atividade de moléculas imunes, como citocinas, incentiva a progressão da osteoporose e que o selênio pode inibir essas moléculas.

Da mesma maneira, o selênio faz parte das enzimas antioxidantes dependentes do selênio, que absorvem espécies reativas de oxigênio nas células. Portanto, níveis mais baixos de selênio podem aumentar o estresse oxidativo.

Isso é importante porque, como os autores explicam, existem algumas evidências de que o estresse oxidativo pode influenciar a progressão da osteoporose.

Para o futuro

Os especialistas acreditam que esse é o primeiro estudo a relacionar diretamente a ingestão de selênio na osteoporose. Embora eles usassem um tamanho de amostra relativamente grande e respondessem por uma ampla gama de variáveis, ainda existem limitações significativas.

Também explicam que os níveis de selênio nos alimentos podem variar e que os métodos de preparação também influenciam a quantidade de selênio disponível.

Além disso, em estudos observacionais como esse, não é possível confirmar uma relação causal entre o selênio na dieta e os resultados da doença. Sempre há a possibilidade de outros fatores estarem influenciando os resultados.

Leia também: Comer chocolate todo dia faz bem para o cérebro, diz ciência

Desafio 7kgs em 6 semanas!

Elimine até 7kgs em apenas 6 semanas!

 
 

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.