Osteopatia: O que é e quais são os benefícios

Com a rotina agitada, muitas vezes sobrecarregamos o corpo e mente, o que acaba causando dores em diversas regiões. Para aliviar e tratar tais dores, existem métodos como a osteopatia

A osteopatia é uma técnica que se baseia em aplicar recursos manuais, como massagens, visando o reequilíbrio das funções do organismo e do funcionamento do corpo. Dessa maneira, durante as sessões, o profissional irá trabalhar nas articulações, músculos e nervos para aliviar a dor e melhorar a mobilidade da área afetada.

Fundada pelo médico americano Andrew Taylor Still em 1874, a osteopatia vem sendo cada vez mais estudada e aprimorada pelo mundo todo. Normalmente, é indicada para pessoas que possuem problemas como dores nas costas ou ombros, tendinite, sedentarismo, hérnia de disco, má postura, lesões esportivas ou excesso de estresse.

Assim, a técnica irá ajudar a melhorar a movimentação das articulações, aliviar a tensão muscular e melhorar a circulação sanguínea.

Como é feita

Para iniciar as sessões de osteopatia é necessário passar por uma avaliação detalhada, abordando o histórico dos sintomas e problemas de saúde. Assim, se for identificado algum problema grave de saúde, o osteopata poderá fazer um encaminhamento para um médico, como o ortopedista.

Durante o tratamento, o especialista faz uma série de movimentos com as mãos, como massagens e alongamentos, trabalhando os músculos, ligamentos e nervos para aliviar a dor e restaurar a área afetada.

Dito isso, a osteopatia não causa dor. Porém, dependendo da gravidade das lesões musculares algumas pessoas podem sentir um leve desconforto.

O recomendado é que esse método seja realizado em conjunto com hábitos saudáveis, como a prática de atividade física e dieta balanceada. 

Leia também: Quiropraxia: O que é, para que serve e como funciona

Nem todos podem realizar

Apesar de tratar várias condições, a osteopatia não é recomendada para todos. Portanto, pessoas com fragilidade nos ossos, como a osteoporose e a metástase óssea, não devem realizá-la, pois pode piorar os sintomas e causar outros problemas de saúde. 

Além disso, esta terapia também não é indicada para pessoas com artrite grave, fraturas nos ossos e distúrbios que afetam a coagulação do sangue. 

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Estagiária de Jornalismo