Memória muscular: Saiba se é verdade ou mito

Ficar um tempo sem ir para a academia e voltar depois pode ser difícil para alguns. No entanto, comenta-se que, graças à memória muscular, os músculos respondem com mais facilidade aos treinos, e a recuperação da massa magra é mais rápida. Porém, a memória muscular realmente existe ou é um mito?

Na verdade, a memória muscular existe. Ela tem a ver com os nervos que se comunicam com o músculo para permitir que ele se mova na sequência apropriada para executar cada movimentos. Ou seja, a ordem em que você ativa os músculos fica gravada. 

Assim, quando uma pessoa está praticando alguma atividade física, as células musculares se movimentam de uma determinada maneira. Como por exemplo, ao nadar competitivamente, os nervos dizem aos músculos quando devem se mover para formar um rastreamento frontal. Portanto, mesmo se você passar anos sem nadar, quando voltar para a piscina, terá um condicionamento melhor do que alguém que está aprendendo a nadar do zero. Isso graças à memória muscular.

Leia também: Como aprender a gostar de malhar

Memória muscular: O que os estudos dizem

Uma pesquisa da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, descobriu que quem modifica levemente a rotina de movimentação muscular aprendia duas vezes mais rápido do que aqueles que praticavam exatamente a mesma coisa todos os dias. 

Os estudiosos dizem que isso é fruto de um fenômeno chamado reconsolidação. Quando você muda ligeiramente o jeito de praticar uma atividade ou movimento, o cérebro se lembra e modifica as memórias existentes com o novo conhecimento, tornando-as ainda mais fortes e auxiliando as habilidades motoras.

Portanto, se você estiver tentando aperfeiçoar seu saque de tênis, por exemplo, tente mudar para uma raquete menor em algumas sessões de treino. Isso pode ajudá-lo a aprender o movimento mais rapidamente.

Entretanto, é importante lembrar que. apesar da memória muscular, quem não pratica atividade física há muito tempo e deseja retornar deve procurar um médico de esporte para que os riscos cardiovasculares sejam investigados. Assim, lesões e outros problemas podem ser prevenidos.

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Estagiária de Jornalismo