Jejum intermitente pode ser perigoso?

O jejum intermitente (comece seu Jejum Intermitente com o Tecnonutri)   (JI) se mostrou ser muito mais que uma moda passageira. A metodologia explodiu em popularidade. E, em grande parte por causa do que não é necessário: contar calorias, rastrear nutrientes, e nem rotular os alimentos como “bons” ou “ruins”. 

Assim, esse tipo de jejum – que restringe a alimentação a certas horas do dia ou a determinados dias da semana – também recebeu elogios da comunidade científica por causa de pesquisas recentes sobre seus benefícios, incluindo perda de peso efetiva e risco reduzido de doenças, de acordo com o respeitado periódico Harvard Health Publishing, publicado pela Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Mas, será que o pode ser perigoso?

Benefícios do jejum intermitente

A maioria das pessoas pode participar com segurança do jejum intermitente. Também, as mulheres encontram sucesso na perda de peso ao jejuar por uma infinidade de razões. Entre elas, uma ingestão forçada de calorias reduzidas, um estado de baixa energia que provoca cetose e uma conexão ponderada com a comida na qual os indivíduos se tornam mais conscientes da ingestão.

Da mesma forma, o jejum intermitente abre as portas para uma riqueza de benefícios potenciais à saúde especificamente para mulheres, de acordo com uma revisão publicada na edição de abril a junho de 2016 do Journal of Mid-Life Health, que ligava o jejum periódico a:

  • Biomarcadores diminuídos associados a certos tipos de câncer;
  • Melhoria da saúde reprodutiva em mulheres que estavam acima do peso antes do jejum, diminuindo seu peso; 
  • Efeitos protetores no coração e na saúde metabólica.

Contudo, um estudo publicado em março de 2015 na Cell, observou que a ingestão de alimentos por tempo específico tem efeitos profundos na fisiologia, especialmente em nossos hormônios e metabolismo. Dessa maneira, quando interrompemos o ciclo natural de comer durante o dia, isso poderia prejudicar os outros processos corporais, aumentando o risco de doenças.

Jejum intermitente pode ser perigoso para os hormônios femininos?

Até agora, os estudos se concentraram principalmente em como o JI afeta o peso corporal, o metabolismo (marcadores como insulina e lipídios no sangue) e a mortalidade. Evidências limitadas sugerem algumas alterações hormonais, mas essas alterações estão quase sempre associadas à restrição calórica geral, portanto, não parecem ser exclusivas do jejum

No entanto, mulheres jovens devem estar cientes de que quando o suprimento de comida é insuficiente para atender às demandas metabólicas, a puberdade é adiada, e a ovulação e o ciclo menstrual normal são suprimidos.

Em outras palavras, as mulheres correm o risco de desenvolver amenorréia (perda de seu período menstrual por pelo menos três meses consecutivos) se a ingestão de calorias se tornar muito baixa. Isso ocorre porque a falta de calorias pode causar alterações nos hormônios estrogênio e progesterona, que regulam o ciclo menstrual. Também pode causar potencialmente uma perda de densidade óssea e causar danos potenciais a um feto em desenvolvimento se a mulher engravidar.

Se a ingestão calórica permanecer adequada, no entanto, o jejum intermitente por si só não deve colocar você em risco de amenorréia ou outras condições.

Como jejuar com segurança

Se você está interessado em jejum intermitente, a melhor maneira de começar é gradualmente. Portanto, quem gostaria de tentar jejuar 16 horas por dia, por exemplo, pode começar  jejuando por 10 horas. E, supondo que se sinta bem, ir aumentando lentamente o tempo de jejum a cada poucos dias até atingir 16.

Leia também: Dieta do café: O que é e como fazer

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.