Isolamento social pode desencadear depressão em crianças, diz estudo

Os impactos do isolamento social na saúde mental das crianças está cada vez mais evidente. Comportamentos diferentes como alterações na alimentação, no sono e na personalidade estão sendo notados pelos pais. No entanto, os sentimentos de solidão e depressão podem persistir nos pequenos após as restrições serem reduzidas e a vida voltar ao normal.

Um estudo, conduzido pela Universidade de Bath, no Reino Unido, constatou esse impacto comparando publicações anteriores sobre solidão e sua relação com a saúde mental dos jovens. As descobertas dos pesquisadores foram baseadas em mais de 60 estudos preexistentes que abrangem o isolamento social e a saúde mental de jovens de 4 a 21 anos.

Assim, os resultados mostram que os impactos do isolamento social na saúde mental dos jovens pode permanecer por até nove anos após a quarentena. Além disso, os jovens que estão sozinhos podem ter até três vezes mais chances de desenvolver depressão no futuro.

“Isso significa que retornar a algum grau de normalidade o mais rápido possível é importante. No entanto, é fundamental pensarmos como esse processo vai ser gerenciado, principalmente por se tratar de moldar os sentimentos e as experiências dos jovens sobre esse período” explica a Dra. Maria Loades, psicóloga clínica do Departamento de Psicologia da Universidade de Bath e autora do estudo.

Por fim, os pesquisadores concluíram que os resultados devem servir de alerta sobre como o processo educacional será conduzido daqui para frente. Afinal, a demanda de serviços de saúde mental por parte dos jovens e adultos nos próximos anos deve aumentar.

Leia também: Como proteger a saúde mental das crianças durante a quarentena

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Estagiária de Jornalismo