A importância de se exercitar corretamente em casa

Com a pandemia do novo coronavírus, os brasileiros estão cumprindo ordens de isolamento social para diminuir a aglomeração e circulação de pessoas. Assim, com as academias fechadas, muitos estão fazendo os treinos em casa. No entanto, será que é segura a prática de atividade física por conta própria?

Antes de qualquer coisa, é essencial ocupar a mente durante o período de quarentena fazendo algo que fortalece o sistema imunológico. Afinal, ninguém gosta de ficar no tédio, não é mesmo? Nesse sentido, o exercício físico leva à reorganização da resposta de sistema imunológico. Entretanto, é importante saber quais treinos podem ser feitos em casa, como devem ser feitos e quais cuidados precisam ser tomados.

Segundo Dr. Marcello Zaboroski, médico especialista em ortopedia e traumatologia do Hospital Vila Lobos, do Hospital São Cristóvão e diretor clínico do Instituto Ortopédico Santa Maria, exercitar-se de forma correta é fundamental. “Portanto, começar com um alongamento é uma excelente ferramenta para evitar lesões e contraturas musculares durante a prática de atividades físicas por todos os tipos de atletas, do iniciante ao avançado”, explica.

Qualquer tipo de exercício feito em casa pode ser o primeiro passo para quem deseja sair do sedentarismo. “Mas, vale lembrar que antes de iniciar uma atividade física, a pessoa não pode ter restrições ou contraindicações médicas”, revela o médico.

Para cada indivíduo um tipo de exercício

Seguindo as dicas do especialista, é importante levar em consideração os diferentes perfis e faixas etárias das pessoas que irão se exercitar em casa. 

“Para idosos, gestantes e crianças são recomendadas atividades de baixo impacto, sempre tomando cuidado para evitar lesões e traumas”. Elevação lateral dos braços, elevação frontal dos braços, abdominal, bicicleta imaginária, elevação das pontas dos pés e corrida estacionária são algumas boas opções.

Já pessoas que praticam atividades físicas regularmente, mas estão impedidas de frequentar espaços para treinar, podem iniciar pelo alongamento para depois realizar os exercícios. Além disso, também é possível se adaptar às restrições do lar, utilizando utensílios domésticos, como garrafas de água e objetos pesados. Tente pular corda, flexão de braço, barra fixa, mergulho no banco, prancha no solo, agachamento, bíceps, elevação lateral e frontal dos braços, abdominais, polichinelos, bicicleta imaginária, elevação de ponta de pé e corrida estacionária. 

Aplicativos de treino podem ajudar

Recursos online como aplicativos de treinos também pode ajudar, especialmente para que guie seus treinos e passe todas as coordenadas para a execução dos movimentos. O aplicativo Workout, por exemplo, funciona como um aliado para quem deseja se exercitar em casa. Yoga, pilates, alongamentos, HIIT e treino funcional são algumas das modalidades que estão disponíveis no app, do nível iniciante ao avançado.

Ainda, o aplicativo tem como diferencial os vídeos, em que educadores físicos explicam a forma correta de fazer os exercícios e que ajudam a trabalhar diversas partes do corpo. Você encontrará de tudo, desde movimentos com peso corporal até treinos projetados para mulheres grávidas. Ou seja, uma infinidade de possibilidades para acabar com desculpa de que ficar em casa é sinônimo de não se mexer. 

Leia mais em: Dicas de como treinar em casa

Fonte: Dr. Marcello Zaboroski, especialista em ortopedia e traumatologia do Hospital Vila Lobos, do Hospital São Cristóvão e diretor clínico do Instituto Ortopédico Santa Maria.

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Estagiária de Jornalismo