Hiperatividade: O que é e como identificar

As crianças geralmente costumam ser agitadas, o que é normal. Mas é importante ficar atento pois quando isso vira algo extremo, pode ser que a criança tenha hiperatividade.

A hiperatividade é um sintoma do Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH). Este transtorno afeta o desenvolvimento e funcionamento de várias partes do cérebro, tendo três sintomas principais: dificuldade de concentração, hiperatividade e impulsividade. Dessa maneira, é caracterizada por um estado excessivo de energia, que pode ser motora ou mental, em que a pessoa possui dificuldade em manter o ritmo. 

Apesar de ser mais comum em crianças, no Brasil, o TDAH também atinge cerca de 2 milhões de adultos, segundo Organização Mundial da Saúde (OMS). 

Leia também: Distúrbios de aprendizagem mais comuns entre as crianças

Causas

  • Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH).
  • Uso de álcool, tabaco, substâncias psicoativas pela mãe durante a gestação.
  • Complicações na gestação.
  • Problemas no ambiente familiar
  • Maus tratos e abuso.
  • Outros transtornos fisiológicos, como hipertireoidismo e feocromocitoma.

Leia também: Isolamento social pode desencadear depressão em crianças, diz estudo

Sintomas da hiperatividade

Muitas vezes, os pais confundem os sintomas e acreditam que possa ser apenas a fase da infância, ou outras condições. Por isso, é importante ficar atento aos alertas que as crianças dão.

Nesse sentido, os sintomas mais comuns que se manifestam é a inquietação, o nervosismo e movimentos excessivos onde as crianças estão sempre pulando, correndo e agitadas. Na maioria dos casos, elas se esbarram nas pessoas ou nos móveis, caem e se machucam. Além disso, crianças hiperativas costumam ter dificuldades para dormir e falam demasiadamente.

Leia também: Exercícios ajudam a aliviar o estresse nas crianças

Dito isso, esse comportamento excessivo e com frequência também é acompanhado de sintomas do déficit de atenção. Como por exemplo, dificuldade de concentração e foco para assistir as aulas, realizar as tarefas, ler, e até mesmo brincar com os colegas.

Tratamento

Ao perceber os sintomas, é fundamental buscar tratamento. Isso porque, quando feito tardiamente, a pessoa afetada pode passar por diversas dificuldades. Desse modo, após a confirmação da condição, podem ser realizados os seguintes tratamentos:

  • Medicamentos: Quando o tratamento envolve medicamentos, o psiquiatra irá indicar qual é o melhor para inibir a hiperatividade e promover a concentração. 
  • Participação dos pais: A ajuda dos pais durante esse processo é essencial. Portanto, os pais devem auxiliar a tornar a rotina dos filhos mais organizada. A prática de atividades físicas também é importante para que a criança gaste energia e aprenda a interagir com outras pessoas.
  • Psicoterapia: A psicoterapia é uma ótima alternativa pois estimula a criança a obter hábitos saudáveis e ajudá-la a encontrar formas de lidar com as situações desagradáveis, como o bullying, por exemplo.

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Estagiária de Jornalismo