Excesso de gordura pode indicar risco de câncer de próstata

A obesidade é uma doença complexa, que faz parte das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT). De um modo geral, podemos dizer que a obesidade é caracterizada por um acúmulo excessivo de gordura corporal. Tal acúmulo pode levar a outras enfermidades como doenças cardiovasculares, dislipidemia, diabetes tipo 2, síndrome metabólica e alguns tipos de câncer. 

Além disso, um estudo recente publicado pelo folhetim científico da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, demonstrou que o excesso de gordura corporal em homens pode ser indicação de maior risco de câncer de próstata. 

Ainda, segundo a análise, o excesso de gordura também demonstra que há maior tendência de o câncer ser mais agressivo do que seria caso o paciente estivesse “dentro” do peso. 

Assim, os cientistas envolvidos na pesquisa concluíram que o acúmulo de gordura visceral (na região do abdômen), que se acomoda junto a órgãos vitais, e gordura subcutânea, aquela “mole”, aumentam o risco de ocorrência de casos fatais desse câncer.

Leia mais: Tipos de gorduras do corpo

Gordura corporal x câncer de próstata

A fim de obter tais resultados, os cientistas analisaram 1.800 homens na faixa dos 70 anos, todos livres de diagnóstico de câncer. Eles tiveram alguns de seus dados coletados: exames raio-x do abdômen e das coxas, medida da cintura e seus IMCs. Ao todo, a análise completa dos dados levou 10 anos. 

Assim, após 10 anos de pesquisa, 170 dos 1.800 homens obtiveram diagnósticos de câncer de próstata. Esses homens equivalem a uma porcentagem de 30,6% de todos os que foram submetidos a pesquisa. O que eles têm em comum? Todos detinham medidas maiores e um IMC mais elevado do que os demais participantes do estudo.

Leia mais: Alimentos que ajudam a prevenir câncer de próstata

Por fim, concluiu-se que o acúmulo exagerado de gordura visceral aumenta em 31% o risco de um homem obter o diagnóstico de câncer de próstata. Em associação a isso, o acúmulo de gordura subcutânea aumenta o risco ainda mais: assim, ele passa a ser de 37%. 

Por isso, é extremamente importante atentar-se para o seu IMC e faz-se essencial o controle do índice de gordura corporal em níveis adequados e saudáveis.

Leia mais: Meu IMC não está saudável. O que fazer?

Sobre o autor

Nathália Lopes
Nathália Lopes
Estagiária de Jornalismo