Guia de exercícios para pacientes com diabetes

A prática de exercícios por pacientes com diabetes é fundamental para o controle da taxa de açúcar no sangue. A doença é caracterizada pela concentração elevada de glicose na corrente sanguínea. Seus efeitos figuram entre os principais fatores de risco para doenças cardiovasculares.

Contudo, muitos pacientes evitam se exercitar porque têm medo de, durante o treino, sofrerem crises de hipoglicemia ou hiperglicemia (queda acentuada de taxa de açúcar no sangue ou elevação súbita, respectivamente). Uma das formas a qual o  paciente recorre para acompanhar as oscilações é o uso de aparelhos que medem os sinais em tempo real. Porém, pode ser difícil para educadores físicos e pacientes fazer a correta interpretação dos dados.

Pensando em facilitar a compreensão e, consequentemente, melhorar o treino, pesquisadores da Universidade de Swansea, no País de Gales, desenvolveram um manual que indica com precisão o que fazer de acordo com as informações fornecidas durante a atividade. 

Leia também: Como magnésio pode ajudar a controlar o açúcar no sangue

Guia de exercícios para pacientes com diabetes

Esse guia, que pode ser encontrado no site da Springer, foi produzido pela universidade galesa e aprovado pela Associação Americana de Diabetes. Ele utiliza as informações disponibilizadas, como consumo de carboidratos e limiares do nível de glicose saudável, para definir os melhores programas de exercício.

Segundo a orientação, a prática esportiva, sem restrição de modalidade ou intensidade, deve ocorrer quando os números do aparelho apresentam de 5.0mmol/l a 10.0 mmol/l (90mg/dl até 180mg/dl) de glicose, mas preferencialmente deve estar a partir de 7.0 mmol/l (126mg/dl).

Caso os números estejam abaixo ou acima, é sugerido evitar a prática ou controlar as concentrações ingerindo mais  carboidrato quando a quantidade de açúcar estiver baixa e, em casos de hiperglicemia, o controle deve ser feito por meio de injeção de insulina (hormônio que permite a entrada da glicose circulante no sangue para dentro das células).

Mas, em situações de pacientes com tendência a hipoglicemia, os níveis aceitos para a atividade física podem chegar até 15 mmol/l. (270mg/dl).

Outra avaliação necessária é a taxa de corpos cetônicos (substâncias solúveis resultantes da quebra de ácidos graxos, que pode ocorrer durante a prática de exercícios).  “Podemos ver isso de forma indireta a partir de uma alta quantidade de glicemia (acima de 250mg/dl) e sinais clínicos como, por exemplo, o hálito”, explica o educador físico Bruno Gion, do Hospital Israelita Albert Einstein. “Quando há algum desses sinais, a prática é contraindicada.”

Para a produção do guia, os estudiosos de Swansea entrevistaram fisiologistas, cientistas do esporte, diabetologistas, endocrinologistas, diabetologistas pediátricos e nutricionistas. Assim, após a coleta das informações, os pesquisadores criaram o documento, aprovado na Conferência Internacional de Tecnologias Avançadas & Tratamento para diabetes, que ocorreu em Madri, Espanha, este ano.

As orientações do manual

Antes da prática de exercício físico

  • Veja qual será o tipo, tempo e intensidade do treino
  • Observe a quantidade de insulina no sangue
  • Programe o aparelho para alertar sobre a eventual ocorrência  de hipoglicemia

Durante o exercício

  • Caso o sensor mostre que sua glicemia está entre 7.0 mmol/l e 10 mmol/l (126mg/dl a 180mg/dl), você está apto para fazer exercício imediatamente
  • Quando a glicemia estiver no limite do 7.0 mmol e com a seta (indicação de aumento ou redução da glicemia no sangue) na horizontal sugere-se a ingestão de 10 a 15g de carboidrato
  • Quando a seta está um pouco para baixo aumente para de 15 a 25g. E em casos dela estar apontando totalmente para baixo, alimente-se de 20 a 35g
  • Exercícios devem ser suspensos quando a glicemia estiver abaixo do 3.9 mmol/l (70mg/dl)Nesses casos ingerir uma quantidade de carboidrato aumenta a glicemia. Se isso ocorrer pode voltar aos exercícios. Mas, caso o paciente apresente menos de 3.0 mmol/l (54mg/dl), é necessário interromper o treino na hora.
  • A interrupção deve ocorrer também quando o aparelho estiver marcando acima de 15 mmol/l (>270mg/dl)

Após o exercício

  • Durante os 90 minutos subsequentes ao exercício, os níveis de glicemia precisam estar entre 4.4mmol/l a 10mmol/l (80mg/dl a 180mg/dl). Contudo, caso isso não ocorra, é sugerido que se alimente de 10 a 15 g de carboidrato.
  • Por fim, em casos nos quais seja necessário a aplicação de insulina, o paciente deve programar um alarme para administração de no máximo 4.4mmol/l e realizar outra consulta antes de dormir

(Fonte: Agência Einstein)

Leia também: Come alimentos ultraprocessados? Cuidado com diabetes tipo 2

Dieta simples e barata para emagrecer