Pode fazer exercícios físicos ao ar livre durante a quarentena do coronavírus?

Com o fechamento de academias por conta do coronavírus, as alternativas para se cumprir as metas fitness se tornaram mais escassas. Mas, apesar da possibilidade de se exercitar em casa, mesmo sem a necessidade de aparelhos ou acessórios, muitos têm recorrido a exercícios físicos ao ar livre não só para se manter em forma, mas também para esfriar a cabeça e, assim, afastar pensamentos de preocupação e ansiedade consequentes do confinamento. 

Entretanto, a prática divide opiniões: há quem diga que os exercícios ao ar livre podem submeter o indivíduo e os outros a um risco desnecessário. Já tem quem defenda que pode ser benéfico, contato que se respeite as orientações de distanciamento social.

Exercícios físicos ao ar livre e coronavírus: O que diz a ciência 

Antes de tudo, o mais importante é que você não saia de lugar nenhum se estiver doente ou com sintomas de coronavírus. 

Ainda vale saber que o Brasil ainda não adotou uma proibição às atividades ao ar livre e, segundo orientações da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBMEE), a prática é recomendada “desde que não proibida por lei decretada pelo poder Executivo”. Contudo,  a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da comunidade médica é de que as pessoas devem ficar em casa o máximo possível. Pois, se todos tiverem a mesma ideia, formam-se aglomerações nas ruas. 

Leia também: Exercícios no isolamento beneficiam a imunidade, diz estudo

Melhor maneira de praticar

Há formas de fazer exercícios físicos ao ar livre diminuindo os riscos de se infectar. O primeiro cuidado a ser tomado é a utilização de máscara sempre que sair de casa. Também é preciso ficar pelo menos de um a dois metros de distância de qualquer outra pessoa, além de não praticar  atividades em grupo.

Entretanto, mesmo seguindo todas as ações são recomendações para trazer mais segurança aos exercícios ao ar livre, não existe garantia absoluta de que não haverá contaminação. Afinal, estamos expostos a imprevistos e casualidades,  como a aproximação inadequada com outras pessoas em elevadores de prédios, áreas comuns de condomínios e em espaços públicos, além do contato com superfícies como botões, corrimões, maçanetas e portas que podem estar eventualmente contaminadas.

Outra indicação importante é não tocar no rosto, e lavar as mãos imediatamente após voltar para casa. Além disso, é importante deixar os sapatos do lado de fora ou na porta assim que retornar. 

Por fim, assim como toda a situação em torno do Covid-19, há de se considerar que cientistas em todo o mundo ainda estão estudando os caminhos de transmissão do coronavírus e o grau de proximidade que pode apresentar riscos. Portanto, nenhuma resposta é definitiva. 

Leia também: Sem halteres? Tente essas alternativas na hora de treinar em casa

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.