Estresse oxidativo: O que é, como prevenir e tratar

O estresse oxidativo é uma das principais causas de danos celulares, e seus efeitos podem ser sentidos na pele – literalmente. Ele começa com moléculas chamadas radicais livres. Tais moléculas são criadas como subprodutos normais do metabolismo celular ou pela exposição a fontes como raios-X, poluição do ar, tabagismo e pesticidas. 

Os radicais livres também têm um número desigual de elétrons, o que representa um problema – porque os elétrons “gostam” de estar em pares. Isso significa que os radicais livres roubam elétrons de moléculas saudáveis ​​para se estabilizarem. Ah, e adivinhe o que acontece com essa molécula? Ela se transforma em um radical livre e a reação em cadeia continua.

Porém, nossos corpos têm maneiras naturais de controlar os radicais livres. Além disso, eles não são necessariamente prejudiciais. Em quantidades baixas a moderadas, eles podem ajudar. Por exemplo, glóbulos brancos chamados fagócitos produzem e armazenam radicais livres. Se microorganismos causadores de doenças invadem seu corpo, os fagócitos podem matá-los liberando essas moléculas. 

A questão é quando eles estão presentes em excesso no organismo. O excesso de radicais livres pode danificar estruturas celulares, incluindo DNA e membranas. E se a produção ultrapassar a capacidade do corpo de controlá-los, o resultado será o estresse oxidativo.

Como o estresse oxidativo afeta a pele?

Um estado prolongado de estresse oxidativo promove o processo de envelhecimento da pele. Contribui especificamente para a perda de colágeno e fibras elásticas, resultando em rugas finas. Da mesma forma, o estresse oxidativo está envolvido na redução da função de barreira, diminuição da umidade e aumento do risco de câncer de pele devido a mutações no DNA.

Como combater o estresse oxidativo

Primeiro, limite a exposição aos radicais livres – alguns estão sob nosso controle (tabagismo), enquanto outros não tanto (poluição do ar). Então, os seguintes hábitos também podem ajudar a gerenciar o estresse oxidativo – e, finalmente, a beleza celular.

Coma alimentos ricos em antioxidantes

Antioxidantes são moléculas que estabilizam os radicais livres doando um elétron. Ou eles podem tornar os radicais livres inofensivos, quebrando-os. Assim, protegem a pele interna e externa dos danos causados ​​pelos radicais livres. Eles também fornecem proteção contra o sol e ajudam no reparo celular.

Alimentos ricos em antioxidantes podem ser resumidos em uma palavra: plantas. As plantas têm antioxidantes para se proteger do estresse oxidativo, uma vantagem que você também pode desfrutar comendo uma dieta (emagreça com o Tecnonutri) baseada em vegetais, cheia de frutas, legumes, ervas, nozes e grãos integrais.

Limite os alimentos que desencadeiam inflamação

Certos alimentos contribuem para o estresse oxidativo, desencadeando a inflamação do organismo. Isso ocorre porque o estresse e a inflamação são interdependentes, resultando em um ciclo vicioso. Os radicais livres ativam genes pró-inflamatórios, que desencadeiam uma cascata de inflamação progressiva. Com isso, faz com que as células imunes recrutem outras células imunes para os locais danificados, criando mais estresse oxidativo e lesões celulares.

Portanto, para suprimir esse ciclo, limite alimentos inflamatórios como açúcar, carnes vermelhas e processadas e carboidratos refinados, como pão branco e arroz branco. Cortar lanches processados ​​e fast food também ajuda.

Aplique antioxidantes topicamente

Como o estresse oxidativo cutâneo contribui para condições inflamatórias da pele, também é indicado usar antioxidantes topicamente. Por isso, os produtos para o cuidado da pele com antioxidantes são essenciais, especialmente os compostos por nutrientes como niacinamida, glutationa e vitaminas A, C e E.

Contudo, o uso de antioxidantes tópicos não substitui a ingestão de frutas e vegetais. O objetivo é aumentar as defesas gerais do seu corpo consumindo e aplicando antioxidantes.

Adicione adaptógenos à dieta

Adaptógenos são ervas que podem ser usadas para adaptar estressores como o estresse oxidativo. Eles são potenciais antioxidantes, podem eliminar os radicais livres, aumentar a resistência celular ao estresse e melhorar a resistência aos produtos químicos tóxicos.

Eles funcionam como amortecedores para ajudar seu corpo a se ajustar mais rapidamente. Assim, ervas como ashwagandha e rhodiola são usadas por propriedades antioxidantes também poderosas também. 

Leia também: Adaptógenos: Ervas que ajudam a combater o estresse

Tente reduzir os níveis de estresse

O estresse psicológico não prejudica apenas seu coração e mente. Também causa danos celulares, promovendo o estresse oxidativo na pele. Logo, se isso persistir, pode dominar as defesas antioxidantes da pele, levando a condições como envelhecimento prematuro.

Além disso, quando você está estressado, seu corpo coloca a saúde da pele em segundo plano. Pois o estresse emocional e mental desencadeia uma resposta de luta ou fuga. E se o corpo estiver constantemente nesse estado de estresse, priorizará a sobrevivência. Com isso, a pele sofrerá durante períodos de maior estresse, pois ter uma pele bonita não é uma alta prioridade para o corpo durante uma resposta de luta ou fuga.

Priorize o sono para minimizar o estresse oxidativo

Há uma razão pela qual o termo “sono da beleza” existe. O sono inadequado impede que a pele se recupere adequadamente. Isso também causa estresse oxidativo, deixando a pele pálida. Outros efeitos colaterais incluem rugas, alterações de pigmentação e outros sinais de envelhecimento.

Além disso, a falta de sono está ligada a níveis mais baixos de antioxidantes defensivos no sangue, facilitando a ação dos radicais livres. E entenda: a melatonina – o “hormônio do sono” – também é um antioxidante. Por isso, uma noite inteira de descanso (e exposição à escuridão) é essencial para produzir melatonina suficiente. Basicamente, sem fechar os olhos, a beleza celular será afetada.

Leia também: O que é inflamação do organismo e porque ela faz tão mal

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.