Entenda o que é a dieta plant-based e seus benefícios

Apesar de não ser novidade investir em uma alimentação rica em frutas, plantas, legumes e cereais integrais, a dieta plant-based ainda é pouco conhecida e praticada no Brasil.

Nem vegetariano nem vegano. Esse plano alimentar apoia uma alimentação natural, variada e colorida, prezando pelos alimentos orgânicos e a produção sustentável. Busca reduzir o consumo de produtos de origem animal e prioriza os alimentos que vêm da terra – sem necessariamente excluir a carne de vez.

“A alimentação plant based equilibrada é sim capaz de fornecer os nutrientes que precisamos e, além disso, tem impacto positivo ao meio ambiente”, destaca a nutricionista Patricia Davidson Haiat, do Rio de Janeiro.

Alimentos importantes em uma alimentação plant-based

Chia

Versátil e muito nutritiva, vai bem com frutas, batidas em shakes, cozidas com o arroz ou mesmo polvilhadas por cima da salada. É também uma importante fonte de ômega-3.

Quinoa

Pode ser consumida em flocos, na salada, com frutas ou batida com shakes e sucos, em grãos, cozida e substituindo o arroz ou mesmo na forma de farinha, complementando receitas de bolos e tortas.

Grão de bico

Saboroso e nutritivo, o grão é uma excelente opção para saladas, pode substituir feijão ou mesmo ser consumido em pastas, como o homus.

Gergelim

Fica saboroso em forma de pasta, conhecida como tahine, ou torrada e polvilhada em frutas, saladas, massas e outras preparações. Outro ponto positivo é seu grande aporte de cálcio.

Feijão

Compondo saladas ou consumido com arroz, todas suas variações e tipos são importantes fontes de proteínas vegetais, seja o carioca, preto, branco ou azuki. Também é fonte de ferro.

Edamame

Encontrada congelada na vagem ou em grãos, basta cozinhar por cerca de três minutos e consumir puro, na salada ou mesmo em forma de pastas.

Amaranto

Pode ser encontrado em flocos, para ser consumido como um cereal com frutas e shakes, e também em grãos, que podem ser feitos como arroz ou mesmo estourados como pipoca! É também fonte de fibras.

Oleaginosas

São as castanhas, nozes, amêndoas e etc. Dentre elas, a composição varia, mas todas são importantes fontes de proteínas vegetais e gorduras saudáveis.

Soja

A mais conhecida fonte de proteínas vegetais é também uma das mais completas. Pode ser encontrada em grãos, em forma de farinha, texturizada ou também como tofu. 

Spirulina

É uma espécie de alga rica em proteínas e ômegas. É vendida em forma de cápsulas ou em pó, para ser batida com sucos e vitaminas.

Benefícios da dieta plant-based 

Comer mais plantas só traz vantagens ao corpo e ao organismo: a prática ajuda a diminuir o risco de doenças cardíacas, diabetes e até mesmo alguns tipos de câncer. Seu grande potencial anti-inflamatório e antioxidante é um dos maiores benefícios à saúde. Além disso, é uma alimentação natural, limpa e pura, que quando equilibrada e bem feita, proporciona energia, vitalidade e nutrição adequada.

Recentemente, uma revisão de estudos sobre alimentação e problemas cardio-metabólicos feita por pesquisadores da Universidade of Wisconsin, nos Estados Unidos, associou a plant-based à redução de todas as causas de mortalidade e risco diminuído de obesidade, diabetes tipo 2 e doença cardíaca coronária.

Outra pesquisa publicada pelo The Permanent Journal, analisou os efeitos de uma dieta Plant Based em um idoso que possuía alto colesterol, pressão alta, diabetes e baixa quantidade de massa magra. O indivíduo tomava uma série de remédios para amenizar os problemas de saúde e sintomas. Em um tratamento médico, os cientistas deram continuidade às prescrições médicas anteriores, mas inseriram no protocolo a dieta Plant Based e 30 minutos de atividade física por dia.

Durante 16 semanas, melhorias significativas aconteceram. O paciente deixou de ingerir remédios para pressão e para a diabetes tipo 2. Já o índice de colesterol ruim, caiu drasticamente.

Dieta plant-based x dieta vegana

A dieta plant-based é semelhante, mas não exatamente igual a dietas veganas. Os veganos não só não comem carne, laticínios, ovos ou mel, mas também não usam produtos de origem animal (couro, seda) ou produtos testados em animais. Seguir uma maneira de comer baseada em vegetais significa comer mais plantas e proteínas vegetais e reduzir os produtos animais, mas não inteiramente, e não há restrições sobre o uso ou uso de produtos de origem animal na plant-based.

Mesmo que uma dieta vegana possa ser saudável, os especialistas dizem que uma dieta baseada em vegetais tem uma vantagem nutricional: ela geralmente estimula a ingestão de mais alimentos integrais e evita processados – os alimentos processados ​​e embalados podem ser veganos e não tão nutritivos, como sorvete ou biscoitos veganos.

Como seguir esse plano alimentar 

Para iniciar uma dieta plant-based é fundamental que a ingestão seja variada incluindo, cereais, raízes, grãos, oleaginosas, frutas, verduras e legumes, pensando sempre que quanto mais cores diferentes, mais nutrientes distintos serão consumidos.

Os tubérculos também são relevantes nesse regime, como a batata-doce, o inhame, o cará e a mandioquinha, já que são carboidratos fundamentais para proporcionar energia. 

Sugestão de cardápio plant-based

Café da manhã

Em jejum (opcional): 1 dose de extrato de clorofila ou clorela (ou suco de 1/2 limão com um pouco de água)

Opção 1

Opção 2

  • 2 ovos mexidos com 1 col. (chá) de azeite
  • 1 fatia média de pão integral com 1 col. (sopa) de homus (pasta de grão-de-bico)

Opção 3

  • Vitamina proteica: 3 morangos batidos com 1 copo (200 ml) de leite de coco caseiro (ou leite de castanha) sem açúcar, 1 col. (sopa) de aveia e 1 fio de mel

Lanche da manhã

Opção 1

  • 2 castanhas-do-pará

Opção 2

  • 2 col. (sopa) de semente de abóbora sem sal
  • Opção 3
  • Fruta (1 ameixa ou 1 maçã ou 1 pera ou 1 banana ou 5 uvas)

Almoço

Opção 1

  • Salada de repolho refogado no azeite com uva-passa ao molho de mostarda diluído no limão
  • 2 col. (sopa) de arroz integral
  • 2 col. (sopa) de lentilha cozida
  • 1 filé de peixe (tilápia) grelhado

Opção 2

Opção 3

  • Salada de folhas (alface, rúcula, agrião) com 1 fio de azeite, sal e vinagre
  • 3 col. (de servir) de tabule de quinua
  • 3 col. (sopa) de purê de abóbora com gengibre

Lanche da tarde

Opção 1

  • Panqueca doce: 1 ovo, 1 col. (chá) de mel, 1 col. (sopa) de aveia e 1 banana amassada

Opção 2

  • Suco vermelho detox: 1 punhado de hortelã, 1 maçã (ou 3 morangos), 1 col. (chá) de linhaça dourada, 1 pedaço pequeno de beterraba, 1 copo (200 ml) de água de coco

Opção 3

  • Tapioca fina: 3 col. (sopa) de goma e 1 col. (chá) de chia com 1 col. (sobremesa) de pasta de amendoim (ou pasta de grão-de-bico)

Jantar

Opção 1

  • Sopa de cogumelo
  • 1 pedaço médio de mandioca cozida

Opção 2

  • Salada de folhas (alface, rúcula, almeirão)
  • Omelete: 2 ovos, 1/2 abobrinha ralada, sal e orégano

Opção 3

  • 3 pegadores de espaguete de abobrinha com molho de tomate e frango desfiado

Ceia

Opção 1

  • Chá de camomila (ou espinheira-santa): para cada xícara de água, use 1 col. (chá) de erva ou flor e deixe em infusão por 5 minutos

Opção 2

  • Mingau de aveia: 3 col. (sopa) de aveia cozidas em 1/2 copo (100 ml) de água, 1 fio de mel e canela

Opção 3

  • 1 banana assada com canela no micro-ondas

Leia também: Ranking: As melhores dietas para seguir

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.