Diabulimia: Entenda o transtorno alimentar e saiba identificá-lo

A diabulimia é um transtorno alimentar que pode afetar pessoas com diabetes tipo 1, no qual o indivíduo reduz os níveis de insulina a fim de perder peso. Dessa forma, a glicemia aumenta de forma constante, gerando glicosúria (perda de glicose na urina) e, consequentemente, o emagrecimento

Pacientes com diabetes tipo 1 não produzem insulina suficiente no pâncreas para regular a glicose. Por isso, é necessário tomar insulina para controlá-la. Contudo, muitas vezes a insulina pode aumentar as calorias consumidas no dia.

Leia também: Pregorexia: O transtorno alimentar que afeta mulheres grávidas

Assim, entre diversos transtornos alimentares como a anorexia e bulimia, a diabulimia é considerada uma das mais perigosas. Isso porque mesmo confessando que não fazem o uso da insulina, os pacientes costumam minimizar a frequência ou quantidade de vezes que omitem a utilização. 

comer bem e cuidar da mente

Sintomas da diabulimia

Para identificar o distúrbio, fique atento aos seguintes sinais:

  • Perda de peso frequente;
  • Hemoglobina glicada continuamente acima de 9%;
  • Sede persistente;
  • Excesso de urina;
  • Preocupação excessiva com a imagem corporal;
  • Alterações de humor, fadiga e depressão;
  • Omissão da aplicações de insulina e alimentação;
  • Infecções urinárias frequentes;

Além disso, dependendo da gravidade do caso, pode ocorrer desde insuficiência cardíaca, exaustão e falta de concentração. Com a progressão da diabulimia, os riscos podem tornar-se severos, incluindo incluindo amputação de membros e até a morte.

Tratamento

A boa notícia é que assim como outros transtornos alimentares, há tratamento para a diabulimia. Normalmente, o tratamento consiste em psicoterapia, em que o terapeuta auxiliará o paciente a compreender o impacto do distúrbio e como controlar o peso. Desse modo, isso inclui práticas saudáveis como exercícios físicos e regulação alimentar.

Em casos mais graves, é necessário o uso de medicamentos prescritos por um especialista e até mesmo a internação do indivíduo, para recuperar a saúde normal. 

Leia também: Ortorexia: Quando alimentação saudável vira transtorno alimentar

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Estagiária de Jornalismo