Simples teste de linguagem pode detectar risco de Alzheimer

O Alzheimer é uma doença neurodegenerativa onde ocorre uma deterioração das funções cerebrais, como perda de memória e da linguagem. Há diversos métodos exames disponíveis para detectar o risco de Alzheimer. Recentemente, um estudo publicado no Clinical Medicine mostrou que um simples teste de linguagem desenvolvido por meio de inteligência artificial pode determinar em até 70% de precisão as chances de descobrir se uma pessoa está propensa a desenvolver a doença no futuro. 

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), estima-se que cerca de 50 milhões de pessoas no mundo tem Alzheimer. No Brasil, de acordo com dados do Ministério da Saúde, mais de um milhão de brasileiros sofrem com a condição. 

comer bem e cuidar da mente

Como funcionou o estudo

Em primeiro lugar, os pesquisadores utilizaram dados de outro estudo, em que os participantes realizaram testes neuropsicológicos durante décadas, incluindo o Boston Aphasia Diagnostic Examination. Um teste cognitivo que visa avaliar a afasia – distúrbio que prejudica as habilidades de fala e comunicação – e a demência.

Leia também: Exame de sangue pode identificar Alzheimer antes dos sintomas

Logo depois, os especialistas coletaram 703 amostras de 270 pessoas. Dessa maneira, as variações linguísticas dos participantes foram analisadas por meio de inteligência artificial. Assim, as variações verificavam a ortografia, pontuação, gramática, o estilo e vocabulário. 

Para chegar aos resultados, dados pessoais dos participantes também foram examinados, incluindo idade e resultados de outra avaliação cognitiva. O intuito era prever se algum participante desenvolveria Alzheimer aos 85 anos ou mais.

Dessa forma, para os estudiosos, os resultados são visivelmente benéficos, pois é possível acelerar o diagnóstico de Alzheimer.

Sintomas de Alzheimer

Saiba quais são os principais sintomas da doença:

  • Perda de memória frequente;
  • Dificuldade para encontrar palavras;
  • Inquietação;
  • Delírio;
  • Dificuldade para tomar decisões;
  • Mudanças de humor repentinas;
  • Perda de iniciativa e de motivação;
  • Sinais de depressão;
  • Agressividade.

Leia também: Reposição de estrogênio pode prevenir Alzheimer, diz estudo

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Estagiária de Jornalismo