Desamparo aprendido: O que é e como tratar

O desamparo aprendido diz respeito a uma condição psicológica que pode afetar seriamente a saúde mental. É a incapacidade do ser humano de reagir às situações que geram sofrimento.

De acordo com a American Psychological Association, o desamparo aprendido é resultado da repetição de experiências ruins. Com isso, surgem sentimentos de desespero e angústia.

comer bem e cuidar da mente

Relacionamentos abusivos

Em um relacionamento abusivo, por exemplo, muitas vezes há questionamentos sobre o motivo da vítima continuar com o abusador. Contudo, quando um indivíduo é submetido a diversas manipulações, ele acaba acreditando.

No entanto, isso não acontece apenas em relações amorosas. Assim, também existe abuso entre pais e filhos, no trabalho ou escola e entre amigos. 

De acordo com uma pesquisa, vítimas de relacionamento abusivo têm duas vezes mais chances de desenvolver os dois distúrbios quando comparados a quem não sofreu abusos.

Os pesquisadores acompanharam mais de 1500 participantes durante nove anos. Assim, as mulheres que foram vítimas de relacionamento abusivo aos 21 anos tiveram mais probabilidade de desenvolver depressão aos 30 anos. Por outro lado, os homens apresentaram maior probabilidade de desenvolver distúrbios de ansiedade.

Leia também: Relacionamento abusivo aumenta risco de depressão e ansiedade

Como tratar o desamparo aprendido

Antes de mais nada, é importante que a pessoa reconheça que está passando pelo desamparo aprendido. Mas, a vítima deve ter o apoio de amigos e familiares para enxergar que não está errada e precisa de ajuda psicológica.

Assim, a melhor forma de tratar o desamparo aprendido é optar pela psicoterapia. Existem diversas abordagens, o terapeuta irá indicar a melhor para cada caso. A técnica da dessensibilização sistemática, por exemplo, pode ser uma ótima alternativa.

Através das sessões de terapia, a pessoa irá se sentir melhor e entender que deve se afastar e cuidar mais de si mesma.

Leia mais em: Descubra se você está em um relacionamento codependente

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Estagiária de Jornalismo