Desafios que nossa saúde mental enfrentará depois da pandemia

A pandemia por conta no novo coronavírus não tem uma data exata para acabar, na verdade, não estamos nem perto de voltar para a nossa rotina normal. Isso porque ainda existem muitas dúvidas sobre quais versões do vírus estamos enfrentando. 

Dessa maneira, à medida que passarmos para a próxima fase de lidar com o COVID-19, novos desafios à saúde mental surgirão. Afinal, não voltaremos a “vida real” tão rapidamente. Veja quais são os principais desafios que podemos enfrentar após a pandemia.

Burnout invisível

O home office vem sendo adotado por algumas empresas para manter o isolamento social. No entanto, trabalhar em casa pode ter complicações. Muitos não têm o espaço adequado e não conseguem se manter focados com os filhos por perto. Portanto, o estresse e cansaço estão ainda mais comprometidos.

Leia também: Coronavírus: O que você precisa saber para se cuidar

Por isso, a próxima fase do COVID-19 envolverá um aumento no esgotamento profissional, o chamado burnout. Além disso, a falta de interação pessoal também é um fator para ser menos produtivo. O que pode fazer os funcionários se sentirem sobrecarregados.

Estresse financeiro

Com a crise global da pandemia a economia também é afetada. Assim, muitos estão perdendo empregos ou tendo o salário reduzido. Entretanto, é importante não deixar o estresse financeiro dominar. Pois, o sentimento o debilitará física e mentalmente.

Um estudo realizado para um doutorado na University College London, em Londres, buscou 202 indivíduos de nível gerencial e superior que perderam o emprego. Foi descoberto que aqueles que estavam ansiosamente preocupados com sua situação tiveram os piores resultados. Por outro lado, os que estavam abertos a novas soluções tiveram resultados melhores.

Dito isso, qualquer crise pode nos forçar a avaliar nosso relacionamento com nosso tempo, identidade, relacionamentos e finanças. Por exemplo, é possível perceber que alguns gastos são desnecessários e que muitas vezes o tempo gasto com entes queridos ou com o crescimento pessoal é pouco.

Transtorno de estresse pós-traumático (TEPT)

Não se trata apenas de ficar em casa e trabalhar em casa. De repente, é necessário conviver e conhecer mais aqueles com que compartilhamos nossos espaços e nós mesmos. São coisas com as quais muitas pessoas lidam apenas a uma distância cautelosa ou até mesmo fogem disso.

Leia também: Atividades que ajudam a lidar com o estresse na quarentena

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Estagiária de Jornalismo