Metade dos sobreviventes de Covid-19 relata depressão

A pandemia de Covid-19 está afetando a saúde mental  das pessoas cada vez mais. Visto que, durante esse período, sentimentos de medo e incerteza vem à tona. Além disso, distúrbios mentais como a depressão também estão sendo muito relatados. 

De acordo com um estudo publicado na revista médica JAMA Network Open, 52% dos sobreviventes do coronavírus apresentaram sintomas de depressão. 

O estudo foi feito com 3.900 homens e mulheres que tiveram covid-19 entre maio de 2020 e janeiro de 2021. 

Dessa maneira, os resultados mostraram que 2.046 participantes (52%) mostraram sintomas que caracterizam a depressão. Além disso, a prevalencia foi maior em jovens do sexo masculino.

Segundo o Dr. Roy Perlis, psiquiatra e pesquisador do estudo, o estresse crônico durante a pandemia e isolamento social foi um dos principais fatores para o desenvolvimento do distúrbio. 

No entanto, ainda é necessário mais pesquisas para comprovar a relação entre as sequelas da doença e a depressão.

Leia também: Depressão e consumo de cigarro e álcool aumentam na pandemia

Lidando melhor com a pandemia de Covid-19

O principal é buscar ajuda psicológica, realizar sessões de psicoterapia ou até mesmo tomar remédio – indicado pelo psiquiatra. Contudo, existem algumas dicas que podem te ajudar a lidar melhor com a depressão nesse momento.

Estar atento à respiração é muito importante. Nas práticas de yoga e meditação, você controla o jeito de respirar para ajudar a mudar seu estado de espírito. Uma ótima opção é a prática da respiração 4-7-8, que é baseada em uma técnica de yoga que pode ser feita em qualquer lugar e a qualquer momento. Assim, feche a boca e inspire pelo nariz enquanto conta até quatro. Segure a respiração enquanto conta até sete e depois expire pela boca até a contagem de oito.

Respire

A longa expiração ajuda a estimular o sistema nervoso parassimpático, que rapidamente inicia uma resposta de relaxamento no corpo. 

Visualize seu lugar feliz

A técnica da visualização se torna cada vez mais fácil conforme você pratica. Dessa maneira, quanto mais forte for sua visualização, mais eficaz ela é. 

Você pode imaginar o oceano, um lugar que tenha vontade de visitar, brincando com o seu animal de estimação ou na companhia de alguém que você ama. Tente obter todos os detalhes possíveis em sua mente – os cheiros, os sons, o toque e as texturas. Relembrar essas memórias vivas fará com que seu corpo realmente esteja lá, o que o deixará relaxado.

Pratique a aceitação

Em modo geral, para acessar sua paz interior é essencial aceitar que a existência de coisas que estão fora de seu controle, por mais difícil que seja. 

Não devemos resistir às circunstâncias, pois isso leva ao sofrimento, que é o oposto da paz interior. É um processo desafiador e o cérebro pode resistir por impulso. Por exemplo, quando você está em uma longa fila de supermercado, pense se você está atrasado ou se sentindo realmente estressado. Sendo assim, pense positivo e veja isso como uma oportunidade para praticar a paciência e a autocompaixão.

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Estagiária de Jornalismo