Covid-19: Quase 20% dos pacientes têm doenças mentais depois

Um em cada cinco pacientes que tiveram Covid-19 podem ter mais risco de desenvolverem distúrbios mentais posteriormente, de acordo com pesquisa. Os mais comuns incluem ansiedade, depressão, insônia e, raramente, demência. O estudo foi feito pela Universidade de Oxford, na Inglaterra, e publicado na plataforma científica MedRxiv

Dessa maneira, os pesquisadores avaliaram registros médicos de aproximadamente 70 milhões de pessoas nos Estados unidos. Os dados também incluíam mais de 62 mil casos de Covid-19 que não precisaram de internação hospitalar ou visita ao hospital.

Para chegar aos resultados, os pesquisadores compararam a ocorrência de problemas mentais com pacientes que tiveram gripe, infecções dermatológicas, pedra nos rins e na vesícula, e infecções respiratórias. Assim, a incidência de condições mentais era de 2,5%. 

As análises mostraram que 18% dos pacientes que testaram positivo para o covid-19 um apresentaram diagnóstico psiquiátrico após a Covid-19. Enquanto após uma gripe, o índice é de 13%. Ainda, a pesquisa também descobriu que pessoas com distúrbios mentais pré-existentes tinha 65% mais chances de serem diagnosticados com coronavírus. Contudo, são necessários mais estudos para ter conclusões claras.

Leia mais em: Coronavírus: O que você precisa saber para se cuidar

“Se você sentir ansiedade, mau humor, insônia ou até mesmo perda de memória após a Covid-19, você deve consultar um médico. Pode haver maneiras de melhorar esses sintomas”, diz Maxime Taquet, coordenador do estudo britânico. 

Complicações do Covid-19

O coronavírus é uma doença nova e traz diversas dúvidas para a população em geral. Mas nos dias atuais, é do conhecimento de muitos que além dos danos nos pulmões, o vírus pode afetar os rins, coração, intestino e o cérebro.

Leia também: Estudo indica que coronavírus pode se alojar na gordura corporal

Além disso, segundo um estudo da University College London (UCL), após a infecção, o Covid-19 também pode trazer complicações neurológicas graves, como delírio, tremores, psicose e derrame.

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Estagiária de Jornalismo