Coronavírus: Alimentos que fortalecem imunidade podem prevenir?

O novo coronavírus tem assustado os brasileiros. E, até a manhã desta sexta-feira, 6 de março, nove casos foram confirmados no país.

Mas, ao contrário do que muita gente acredita, o coronavírus não é exatamente uma novidade. “Ele pertence a uma grande família de vírus que são conhecidos desde meados dos anos 1960. Ou seja, existem inúmeras variantes do vírus que podem causar desde simples resfriados até graves problemas respiratórios”, explica Flavia Carijó, diretora médica da rede de clínicas Prophylaxis. 

A versão atual trata-se, na verdade, do 2019-nCoV, que teve seu primeiro caso  identificado na cidade de Wuhan, na China, no final de 2019. 

Dados da Organização Mundial da Saúde indicam que 80% dos casos são leves e apresentam sintomas parecidos com o da gripe comum. Crianças não são, até o momento, as principais vítimas da COVID-19. Porém, idosos com doenças crônicas são os mais afetados.

Mas há alguma coisa que possamos fazer para nos prevenir do coronavírus? Saiba mais. 

Quais são os sintomas do coronavírus?

  • Febre;
  • Cansaço;
  • Tosse seca;
  • Dores no corpo;
  • Congestão nasal;
  • Dor de garganta.

Mudar a alimentação é uma opção para combater o vírus?

A alimentação balanceada e saudável é a opção para tudo que diz respeito a uma resposta nutricional adequada do organismo humano e, consequentemente, ao equilíbrio de todas as funções dos sistemas do corpo humano, incluindo o imunológico. 

“Em outras palavras, uma pessoa bem nutrida, com base em uma alimentação balanceada e saudável, é menos suscetível a desenvolver doenças e com melhor resposta às agressões externas, por exemplo no combate às infecções”, afirma Dr. Augusto Yamaguti, diretor do Serviço de Infectologia do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo.

“Porém, não que este estado irá evitar a aquisição de infecções, aqui no caso, a infecção pelos vírus respiratórios, mas o organismo terá um desempenho melhor para enfrentar a doença causada pelo agente infeccioso e propiciar uma evolução melhor, até que o ciclo da doença termine e o agente infeccioso seja eliminado”, complementa o infectologista. 

Leia também: Alimentos para aumentar a imunidade

Investir em alimentos que fortalecem a imunidade, como vitamina C, “evitaria” contrair coronavírus? 

O bom funcionamento do sistema imune depende da ingestão conjunta de vários nutrientes. Assim, investir em apenas um nutriente, sem a presença dos outros na alimentação, não previne nenhuma doença, incluindo a gripe. 

“Um alerta importante é de que ingestão exagerada de alguns tipos de vitaminas em excesso pode prejudicar o funcionamento do fígado e rins”, alerta Ivone Mayumi Ikeda Morimoto, nutricionista e professora do curso de Nutrição da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC PR). Neste grupo se inclui a ingestão exagerada da vitamina C

“Contudo, uma prática interessante é consumir pelo menos duas frutas cítricas como uma laranja, uma fatia média de abacaxi diariamente. Apenas o alerta de que cortar, espremer, liquidificar, produzem perdas. Portanto, ingerir logo que descascar ou cortar e preferir a fruta natural e não na forma de suco preservam a vitamina C do alimento”, indica a nutricionista. 

Leia também: Pequenos hábitos que ajudam a fortalecer a imunidade

O uso de máscaras ajuda? 

Como explica o infectologista Dr. Augusto Yamaguti, o uso de máscara só está indicado para a pessoa com sintomas respiratórios. Isto é, porque está doente e eliminando o vírus. Desta forma, protege aqueles que não tem sintomas e que podem se aproximar dessa pessoa doente quando estiver tossindo ou espirrando.

Porém, não existe indicação das pessoas sem sintomas utilizar a máscara constantemente, como se tem observado nas reportagens. “Primeiro porque a pessoa doente e que está eliminando o vírus na tosse ou no espirro, este agente infeccioso só se propaga em um raio de menos de um metro ao redor dele. Então, para uma pessoa sadia ser infectada por este vírus, tem que estar muito próximo da pessoa doente (menos de um metro de distância) quando ela tossir ou espirrar”, finaliza o especialista. 

Qual a melhor maneira de se proteger?

Até o momento não existe uma vacina para esse novo coronavírus. Assim, a melhor forma de evitar a contaminação é adotando certos cuidados diários. O infectologista Dr. Augusto Yamaguti dá as dicas conforme as diretrizes divulgadas pelos órgãos oficiais da área da saúde. Confira: 

  • Higienizar as mãos frequentemente com água e sabão pelo menos por 20 segundos. Se não for possível a lavagem das mãos, friccionar as mãos com álcool gel a 70%.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas que estejam tossindo ou espirrando.
  • Manter uma distância de 1 a 2 metros destas pessoas.
  • Ficar em casa se apresentar quadro leve de febre, dor de garganta, dor no corpo, tosse e espirros e evitar o contato com outras pessoas. Mas, se o quadro se agravar e necessitar de procurar atendimento médico, antes de sair de casa usar uma máscara comum ou amarrar um lenço cobrindo o nariz e a boca.
  • Ao tossir ou espirrar, cobrir boca e nariz na dobra do cotovelo ou usar um lenço de papel, jogando no lixo após o uso, e higienizar as mãos conforme orientado acima.
  • Após tocar objetos e superfícies em ambientes públicos (corrimão de escadas, maçanetas de portas, catracas, lavatórios, etc.), sempre realizar a higienização das mãos conforme orientado acima.

Leia também: Como fortalecer a imunidade

Sobre o autor

Amanda Figueiredo
Amanda Figueiredo
Jornalista, editora sênior de nutrição, saúde e bem-estar.