Constelação familiar: Como funciona e quais os benefícios

Os problemas individuais podem ser consequências de um fator externo, e muitas vezes familiar. Entre vários métodos terapêuticos está a terapia da constelação familiar, uma nova abordagem utilizada por psicólogos para analisar padrões de comportamentos de grupos familiares através de suas gerações.

A constelação familiar é um método terapêutico que tem como objetivo trabalhar com o inconsciente, tratar questões físicas e mentais de forma pessoal ou coletiva. A metodologia mostra na prática que muito dos problemas, doenças e sentimentos ruins podem estar ligados a outros familiares que já vivenciaram algo parecido.

Isenta de crenças religiosas, foi desenvolvida pelo psicanalista alemão Bert Hellinger a partir de suas experiências com as relações humanas. É aplicada considerando os padrões familiares que se repetem ao longo dos anos, o quanto isso influência e quais consequências pode trazer para a vida das pessoas.

Hellinger acredita que existem três leis básicas que atuam simultaneamente. Entenda como elas interferem nas constelações.

  • Lei do Pertencimento: Temos a necessidade básica de pertencer à nossa família para que o sistema seja justo e equilibrado. Quando alguém é excluído por alguma razão, a sintonia de uma família é abalada e é preciso reconhecer essas pessoas ou fatos para restabelecê-la.
  • Lei da Ordem: Para que uma relação familiar tenha boa fluidez é preciso entender a hierarquia das gerações, respeitando a ordem dos que vieram antes, como por exemplo os pais antes dos filhos, e o primeiro filho antes do segundo.
  • Lei do Equilíbrio: Para Hellinger, o equilíbrio é fundamental em todas as relações para que haja respeito e uma relação saudável.

Leia também: Terapia Bioenergética: O que é e benefícios para a saúde mental

Como funciona uma sessão?

Na terapia da constelação familiar a pessoa irá expor situações para o psicólogo. O profissional irá solicitar ao paciente informações sobre membros da família, como por exemplo casos de doenças graves, suicídios, separações, mortes precoces e traumas.

As sessões também podem ser feitas individualmente, na clínica, através de bonequinhos ou âncoras de solo que representam membros da família, ou doenças, situações, sentimentos, etc.

Apesar do nome, a terapia não é necessariamente feita em família. Quando é em grupo, os participantes não se conhecem.

Trazendo muito da dramatização do teatro dentro de um grupo composto por desconhecidas, o paciente irá escolher integrantes que irão representar membros da família ou a ele mesmo. Em seguida, os participantes são colocados no recinto e através de questões colocadas pelo paciente, expressam sentimentos e o comportamento dele.

O intuito é que a pessoa consiga ver sua própria situação sendo representada, e deve se basear na observação desses movimentos, buscando assimilá-los sob a ótica da questão constelada, e fazer com que a pessoa veja onde está o problema a ser tratado. Assim, diante das reações dos representantes e da conexão da pessoa com a família, o psicólogo poderá conduzir o paciente a encontrar uma solução para um ambiente de equilíbrio familiar.

Benefícios da Constelação Familiar

  • Rápido e profundo, o método identifica algo que nas terapias convencionais não era percebido, facilitando e tornando-as mais breves.
  • Identificar emaranhamentos ocultos no sistema familiar.
  • Alívio emocional por saber melhor por onde começar a resolver os problemas identificados.
  • Resolução de conflitos dentro da família. É possível restabelecer as leis familiares, entrando novamente em sintonia com os parentes.

Fonte: Referências Comitê de MundoPsicologos. (23 de Maio de 2017).

Constelação familiar: como funciona a terapia?

ARTIGO: TERAPIA SISTÊMICA DE CONSTELAÇÃO FAMILIAR.

Sobre o autor

Julia Moraes
Julia Moraes
Estagiária de Jornalismo