Assa-peixe: Conheça a planta medicinal brasileira

A assa-peixe é uma planta medicinal usada como remédio natural para problemas respiratórios, como a bronquite. Ela é muito encontrada no Centro-Oeste e no Sudeste do Brasil.

A princípio, ela é geralmente consumida na forma de chá, porém, além de seu uso medicinal,  ela também pode ser utilizada como tempero.

Benefícios da assa-peixe

Melhora a respiração

O chá de assa-peixe pode ajudar a aliviar os sintomas de gripe, bronquite, pneumonia, asma e demais condições respiratórias. Sendo assim, é naturalmente expectorante (combate a tosse) e beneficia as vias respiratórias.

Leia mais: Melhores alimentos para o pulmão e que beneficiam a respiração

Previne a retenção hídrica e favorece a saúde dos rins

Ainda, a bebida preparada a partir das folhas secas de assa-peixe promove efeito diurético. Dessa forma, estimula a produção de urina e, por isso, previne a retenção hídrica, ou seja, a retenção de líquido. Isso também reduz o risco de formação de cálculos renais e beneficia a saúde dos rins.

Protege a saúde do útero

O chá também ajuda a tratar afecções uterinas, ou seja, problemas como infecções, dificuldade de engravidar, a endometriose e mais.

Controla a glicemia

Não só, pode também ajuda a controlar a glicemia, ou seja, o nível de açúcar presente no sangue. Por isso, a bebida é recomendada para pacientes de diabetes.

Leia também: As melhores oleaginosas para quem sofre de diabetes

Como preparar o chá de assa-peixe

  • 1 colher de sopa de folhas secas e picadas de assa-peixe
  • 1 xícara de água fervente

Não é recomendado beber mais de 3 xícaras diárias deste chá.

Além do chá, há outras formas de utilizar a planta: infusão, banho de assento, decocção, como óleo essencial e como xarope.

Leia também: Chá de picão-preto: Benefícios e como consumir

Contraindicações e efeitos colaterais da assa-peixe

A assa-peixe é contraindicada para crianças menores de 14 anos e não pode ser consumida por gestantes ou lactantes. Ainda, é essencial ressaltar que, antes de iniciar qualquer tratamento, um médico deve ser consultado.

Sobre o autor

Nathália Lopes
Nathália Lopes
Estagiária de Jornalismo