Como acalmar a ansiedade sobre o coronavírus

Desconforto e incerteza gerados pela ansiedade são fatos da vida. Mas, agora estamos encontrando mais níveis desses sentimentos, dado o surto global do novo coronavírus (também conhecido como COVID-19). Essas preocupações residem em cima das inúmeras pressões que já enfrentamos regularmente, e o aumento dos casos no Brasil pode levar a um estado altamente estressante chamado “inflamação emocional”.

Assim, os efeitos debilitantes da ansiedade em momentos como esse pouco se diferem do estresse pós-traumático. Tal situação decorre de viver em um mundo que parece cada vez mais descontrolado. Como consequência, afeta não só a qualidade de vida, mas também pode interferir na saúde física, emocional e espiritual.

Ansiedade e coronavírus

É possível aprender a controlar os níveis de ansiedade e incerteza causados pelas notícias constantes sobre o coronavírus. Cultivar maior autoconsciência, por exemplo, pode ajudar. Podemos começar reconhecendo que – como muitas coisas na vida – o estresse diminui, flui e passa.

Leia também: Coronavírus: Alimentos que fortalecem imunidade podem prevenir contaminação?

Em vez de combater as chamas de frustração, ansiedade ou raiva, às vezes é melhor apenas sentar com esses sentimentos e aceitá-los. Observe que eles estão presentes sem julgá-los ou se prender a eles. Em vez disso, visualize-os como se fossem folhas flutuando em um riacho e provavelmente passarão naturalmente.

Quando alguém tem uma reação emocional a algo em seu ambiente, é ativado um processo químico no corpo que o alerta, mas dura apenas 90 segundos, de acordo com o neurocientista  Ph.D norte-americano Jill Bolte Taylor. Após esses 90 segundos, qualquer resposta emocional restante decorre da pessoa que escolhe, conscientemente ou não, permanecer nesse ciclo emocional.

Como acalmar a ansiedade do coronavírus

Quando a mente começa a ser instigada por um problema, vale lembrar da regra dos 90 segundos, entendendo que o efeito negativo que esse alerta químico emocional tem sobre a mente é de curta duração. Assim, também é eficaz ter em mente que é uma escolha pessoal se apegar a essas emoções. Não funciona instantaneamente, claro. Mas a estratégia se torna mais eficaz cada vez que é utilizada. E, quando o aperto de emoções fortes dá lugar à razão, emerge uma sensação de alívio fortalecedora.

Leia também: Como fortalecer a imunidade

Portanto, se você perceber esse inchaço de emoções e ansiedade sobre o coronavírus, mas não se apegar a eles, poderá sentir que a preocupação excessiva desaparece também. Assim, a chave é não se envolver, não julgar ou refletir sobre seus sentimentos ou o que os desencadeou. Em vez disso, reconheça e nomeie como você está se sentindo, como se fosse um objeto fora de você. Deixe-se sentir o que sente, mas esteja disposto a abandoná-lo.

Como continuar lidando com o coronavírus? 

As incertezas decorrentes da crise do coronavírus oferecem uma boa oportunidade para manter as dicas abaixo de como lidar com a crescente ansiedade coletiva:

  • Ouça o que especialistas reconhecidos estão dizendo sobre o vírus.
  • Aprenda o que puder dessas fontes respeitadas.
  • Discuta o que você pode fazer para se proteger e proteger pessoas que ama. 
  • Faça um plano e se comprometa com ele, depois lembre-se de que está fazendo tudo o que pode.

Aceite essa realidade e que uma solução perfeita não é possível neste contexto. Depois, siga em frente e concentre-se no que mais você pode controlar neste mundo – sua atitude e padrões de pensamento, seu ambiente doméstico e como você cuida das necessidades de seu corpo, dia e noite.

Leia também: Devo me preocupar com coronavírus na academia?

Sobre o autor

Redação
Redação
Todos os textos assinados pela nossa equipe editorial, nutricional e educadores físicos.